Queniano de 9 anos cria máquina de lavar as mãos e recebe prêmio nacional

Foi pensando nos mais vulneráveis que vivem em condições precárias e não têm acesso ao saneamento básico, que um garoto de 9 anos inventou uma máquina de lavar as mãos e salvar sua comunidade do Covid.

Afinal, se lavar as mãos e utilizar álcool em gel é uma das precauções básicas que devemos tomar para evitar o contágio, não podemos esquecer que existem milhões de pessoas que simplesmente não têm como lavar as mãos!

Através de um pedal e um sistema mecânico que dispensa o uso de eletricidade, para manusear sua máquina as pessoas não precisam usar as mãos, o que evita o contágio.

Simples e eficaz, por causa dela, Stephen Wamukota ficou entre os 68 quenianos que receberam nesta semana o Prêmio Uzalendo, uma espécie de condecoração presidencial que premia iniciativas inovadoras.

Stephen e sua família vivem em Siboti Ward – Bungoma, no oeste do Quênia, que não teve um único caso do vírus até o momento.

No entanto, sabendo que ele pode chegar a qualquer momento, o garoto resolveu se adiantar. “Estou muito feliz. Agora tenho duas máquinas e quero fazer mais”, conta orgulhoso.

Ele é aluno da Escola Primária Mukwa e teve a ideia depois de aprender na televisão sobre maneiras de impedir a disseminação do vírus. Apesar do coronavírus não ter chegado à sua cidade, o Quênia registrou mais de 2.000 casos de Covid-19 e 69 mortes.

James – seu pai, conserta eletrônicos e disse que seu filho sempre quis trabalhar com ele. Ele revela ainda que sempre notou que Stephen era criativo e inteligente. A madeira havia sido comprada para fazer uma moldura para a janela, mas ele acabou desistindo porque sentiu que era momento de ajudar a comunidade.

Graças à máquina, o governador do condado prometeu lhe dar uma bolsa de estudos, já que o sonho do garoto é estudar engenharia.

A pia portátil de Stephen é simples e acessível e pode ser instalada em regiões remotas, onde as pessoas não têm acesso à água corrente e energia elétrica. Um verdadeiro visionário, não é mesmo?

Fonte: Razões para acreditar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.