Estudante da PUC-Rio cria mochila que transforma água suja em potável

Onze famílias de Duque de Caxias- RJ, já receberam o kit ‘Água Camelo’

Chamado de ‘Agua Camelo’, o projeto do estudante Rodrigo Belli, 23 anos, nasceu dentro da sala de aula durante um trabalho com seus colegas de classe.  O jovem, que estuda design de produto, explicou que fornece o kit para que pessoas sem saneamento básico, tenham acesso a uma fonte de água segura por até 10 anos.

foto: reprodução G1

“Para ter agua potável em casa, caso não haja um serviço de saneamento básico, uma pessoa teria que fazer quatro etapas para ter essa água em casa, que é captar, transportá-la, armazenar e filtrar. Então resolvemos criar o Kit Camelo, que é composto por uma mochila, um filtro portátil de água e um suporte de parede. Assim, eles conseguem solucionar essas quatro etapas de forma mais rápida e eficiente. ” Disse Belli.

Segundo o estudante, a iniciativa, que começou em fevereiro, já levou água potável para 11 famílias, o que representa cerca de 50 pessoas. Uma delas é a moradora Suellen Ferreira Costa, de 33 anos. Ela contou que antes de receber a mochila, o consumo dela e da família eram menores. Ela vive com dois filhos em Jardim Gramacho, Duque de Caxias – RJ, e afirmou que as crianças apresentavam feridas pelo corpo e sofriam com diarreia, devido a qualidade da água.

“Melhorou bastante, porque estava com gosto de água pesada, ruim, e a qualidade melhorou, parece água mineral. Antes do kit era horrível, porque de mês em mês eu parava com os meus filhos nos hospitais e os médicos não descobriam o que era. Depois da mochila, minha vida melhorou muito”. Disse Costa

A atuação do projeto ocorre apenas no bairro de Duque de Caxias, e segundo o fundador do projeto, o objetivo é continuar no local pelos próximos meses. Durante a pandemia do novo coronavírus, as entregas dos kits e explicações sobre o equipamento, atenderam todas as medidas de segurança.

“Eu estou extremamente feliz com o trabalho que a gente tem feito nesses últimos meses, porque em fevereiro, com a pandemia, tivemos que parar um pouco, procuramos entender como seria a melhor forma para atuar e desde então a gente vem conseguindo impactar as famílias e levar para elas uma forma até de elas conseguirem minimizar, mitigar os impactos sofridos com essa pandemia, essa crise toda que a corona vem trazendo”, declarou o estudante.

Para que a Água Camelo chegue até as famílias, o projeto criou uma campanha de apadrinhamento. Cada kit custa R$ 350 e a doação pode ser realizar por meio de um formulário. O contato com o projeto é feito pela conta por uma conta nas redes sociais, que pertence ao fundador do projeto.

Hoje, administrando o projeto e estudando, Belli olha para o passado, quando era skatista profissional, e comemora a trajetória até aqui. Ele contou que o Água Camelo o transformou e incentivou outras pessoas a investirem em projetos sociais.

“Eu já competi, já participei de inúmeros campeonatos, já fui campeão brasileiro júnior e todas as conquistas me deixaram muito e me encheram de orgulho, mas nada se compara a quando a gente entrega um kit para uma família, quando a gente vê uma criança dar um sorriso e a mãe agradecer. Quando a gente entrega o kit e o primeiro copo d’água que elas bebem, o sorriso é impagável”, revelou o estudante.

“Se todo mundo botasse a mão na consciência e pensasse em como fazer a diferença no mundo, como gerar impacto, como tornar a vida de uma pessoa um pouquinho mais agradável, eu acho que teríamos inúmeros projetos assim como a Água Camelo impactando quem mais precisa” completou.

Fonte: G1

Vendedor de salgados é humilhado e recebe ajuda de vaquinha que bate R$70 mil em 24h

Rafael mora em Marília, no interior de São Paulo. Ele é casado e pai de três filhas pequenas. Trabalha como pintor, mas por conta da pandemia, ficou sem serviço.

Ele sempre gostou de cozinhar, então, então decidiu fazer salgados e doces para vender, e não deixar faltar nada em casa, que é alugada.

Humilhação

Rafael nasceu sem a mão esquerda, ele só pode contar com a mão direita para garantir o sustento da família.

Esse foi o principal motivo para Rafael atrasar a entrega dos 54 salgados que o cliente tinha encomendado. Mas quem disse que o cliente levou isso em conta? Mandou Rafael voltar para casa com os salgados.

“O rapaz pediu 54 salgados. Eram umas 9h da manhã. Eu falei que até às 11h estava pronto. Quando foi 13h é que ficou pronto. Atrasou porque eu tava fazendo pão também. Eu liguei pra ele, falei ‘o salgado tá pronto, posso levar?’, expliquei a situação.”

Rafael doou salgados para moradores em situação de rua

No mesmo dia, Rafael pegou os salgados e levou para pessoas que moram em situação de rua, algo que ele costuma fazer sempre.

“Eu sempre gosto de fazer pães e salgados e entregar para as pessoas em situação de rua.”

Rafael vivia com sua esposa e as filhas em Monte Carmelo, cidade mineira do Alto Paranaíba.

Rafael e familia
Foto: Reprodução Razões para acreditar

“Fiquei em Minas por 12 anos, mas precisei voltar para Marília há dois meses. Vim sem nada. Vendi toda a minha mudança, viemos só com a roupa do corpo e o carro. A casa ainda está sem móveis, mas vamos nos ajeitando com o tempo.”

Problemas de saúde acompanham Rafael desde que ele nasceu

Rafael nasceu sem o braço esquerdo, resultado de uma malformação desse lado do corpo.

Ele trabalhava como pintor antes da pandemia, mas já tinha sido aconselhado pelo médico a procurar outro trabalho, depois que sofreu um infarto e foi parar na UTI.

“Fiquei internado um bom tempo. O médico disse que precisava parar de vez com a pintura, pois requer muito esforço.”

Novo começo, vaquinha explodiu:

Fonte: Razões para acreditar

Service Desk: Como esse serviço se tornou essencial durante a pandemia

Professora usa rádio comunitária para ensinar alunos que não têm internet

Por conta da pandemia do coronavírus, grande parte das escolas e universidades passaram a oferecer aulas online. No entanto, existem mais de 3 bilhões de pessoas sem acesso à internet no mundo! E estas pessoas fazem como?

Na Argentina, a professora Miriam Mabel Lera decidiu usar a rádio comunitária de sua cidade para continuar ensinando os alunos que não têm acesso à internet. Se isto não é amor pela profissão, então o que pode ser?

A professora exemplar vive na pequena cidade de Diaguita-Calchiquí de Amaicha del Valle, ao sul do país e dá aula para as crianças do segundo ano da Escola Intercultural Bilíngue nº 10. No entanto, após as aulas serem canceladas, ela percebeu que nem todos os alunos tinham acesso à Internet ou smartphones e foi quando ela decidiu agir.

A região de Amaicha del Valle é tipicamente rural e, definitivamente não tem a facilidade de acesso à internet que uma grande cidade tem.

“Quando a quarentena começou, como todos os professores do país, fomos deixados para ver como manteríamos o vínculo com as crianças. Não escolhi o WhatsApp porque se conhece a realidade dos meninos, conhecemos as famílias e as condições em que vivem, por isso não foi fácil para eu fazer aula em vídeo para eles baixarem, sei que eles não têm telefone celular”, confirmou Miriam.

Aulas via rádio

Foi então que surgiu a ideia de usar a rádio comunitária, acessível a todas as famílias da região.

“Eu disse ao chefe da comunidade que gostaria de ensinar através da rádio, que tem a maioria. Notifiquei os pais e começamos os primeiros dias de abril e felizmente deu tudo certo. Falo com as crianças e as famílias como se estivessem olhando para mim, também dou a elas brincadeiras com a música que eles gostam”, disse a professora.

Miriam tem 38 alunos, que hoje continuam a estudar de suas casas, de forma acessível e eficaz.

Não são poucas as histórias de crianças que estão sem estudar durante a quarentena ou que estão se esforçando para conseguir acesso à internet. Algumas precisam viajar horas ou aproveitar o wifi de um espaço público, como contamos aqui. Felizmente, os alunos de Miriam têm sorte de ter uma professora como ela!

“Conseguimos neste momento e desta forma avançar no aprendizado e não cortar o elo. O melhor é que muitas pessoas mais velhas nos ouvem e nos dizem que também estão aprendendo”, afirmou Miriam.


Confira a rádio:

Fonte: Razões para acreditar

Você sabia que sua empresa pode economizar com o Field Service?

Queniano de 9 anos cria máquina de lavar as mãos e recebe prêmio nacional

Foi pensando nos mais vulneráveis que vivem em condições precárias e não têm acesso ao saneamento básico, que um garoto de 9 anos inventou uma máquina de lavar as mãos e salvar sua comunidade do Covid.

Afinal, se lavar as mãos e utilizar álcool em gel é uma das precauções básicas que devemos tomar para evitar o contágio, não podemos esquecer que existem milhões de pessoas que simplesmente não têm como lavar as mãos!

Através de um pedal e um sistema mecânico que dispensa o uso de eletricidade, para manusear sua máquina as pessoas não precisam usar as mãos, o que evita o contágio.

Simples e eficaz, por causa dela, Stephen Wamukota ficou entre os 68 quenianos que receberam nesta semana o Prêmio Uzalendo, uma espécie de condecoração presidencial que premia iniciativas inovadoras.

Stephen e sua família vivem em Siboti Ward – Bungoma, no oeste do Quênia, que não teve um único caso do vírus até o momento.

No entanto, sabendo que ele pode chegar a qualquer momento, o garoto resolveu se adiantar. “Estou muito feliz. Agora tenho duas máquinas e quero fazer mais”, conta orgulhoso.

Ele é aluno da Escola Primária Mukwa e teve a ideia depois de aprender na televisão sobre maneiras de impedir a disseminação do vírus. Apesar do coronavírus não ter chegado à sua cidade, o Quênia registrou mais de 2.000 casos de Covid-19 e 69 mortes.

James – seu pai, conserta eletrônicos e disse que seu filho sempre quis trabalhar com ele. Ele revela ainda que sempre notou que Stephen era criativo e inteligente. A madeira havia sido comprada para fazer uma moldura para a janela, mas ele acabou desistindo porque sentiu que era momento de ajudar a comunidade.

Graças à máquina, o governador do condado prometeu lhe dar uma bolsa de estudos, já que o sonho do garoto é estudar engenharia.

A pia portátil de Stephen é simples e acessível e pode ser instalada em regiões remotas, onde as pessoas não têm acesso à água corrente e energia elétrica. Um verdadeiro visionário, não é mesmo?

Fonte: Razões para acreditar

Médico de 82 anos interrompe aposentadoria para atender pacientes de graça no ES

Um médico de 82 anos decidiu ‘suspender’ sua aposentadoria e voltou a trabalhar para ajudar indiretamente no combate ao novo coronavírus

Ele me disse que queria muito ajudar ao próximo para se sentir vivo“, conta a filha de Visadal Santos, a dentista Carolina Mendes.

O idoso serviu quase seis décadas à medicina. Em novembro do ano passado, em meio a ao diagnóstico de uma insuficiência renal, ele decidiu se aposentar.

No entanto, mesmo com a doença (que o obriga a fazer hemodiálise três vezes por semana), Santos deixou a aposentadoria de maneira precoce para voltar ao seu consultório em Colatina (ES), onde atenderá pacientes gratuitamente a partir deste mês.

Foto: arquivo pessoal

O médico alergista e dermatologista já atendeu diversas cidades da região, como São Gabriel da Palha, Pinheiros, Nova Venécia e São Mateus e até Teixeira de Freitas, na Bahia.

Ele notou um aumento na procura por atendimentos sobre alergia, sua especialidade, motivando-o a retornar à sala branca. O objetivo é ajudar pacientes que não têm condição financeira de pagar consulta.

As consultas gratuitas ajudarão a desafogar os hospitais de Colatina, que estão focados em atender pacientes com sintomas da Covid-19.

foto: arquivo pessoal

“Depois que ele adoeceu veio para Colatina e encerrou suas atividades em novembro de 2019. Sabendo da necessidade de médicos, principalmente na área dele de alergia, ele quis voltar e atuar para ajudar. Ele me disse que queria muito voltar a atuar e ajudar ao próximo para se sentir vivo”, contou a filha de Visadal.

Carolina disse também que a família apoia integralmente o médico, apesar da preocupação com o risco de contaminação com a Covid-19. “Ele sempre teve esse amor e dedicação pela profissão. Ele ama o que faz“, afirmou.

Fonte: Razões para acreditar

Michelle Obama: ex-primeira dama lê livros para crianças em lives durante quarentena

A ex-primeira dama dos Estados Unidos decidiu entrar na onda das lives e lançou a incrível iniciativa ‘Segundas-feiras com Michelle Obama’, da qual lerá seus livros infantis preferidos online para quem quiser participar.

Afinal, se o isolamento social é desafiador para todos nós, famílias com crianças pequenas estão precisando dar conta de trabalhar, cuidar das crianças e ainda manter uma certa rotina de aprendizagem. Nem sempre é fácil, mas contamos com a ajuda da tecnologia e de pessoas inspiradoras, como ela!

Definitivamente a primeira dama mais querida de todos os tempos, as lives de Michelle começaram no dia 20 de abril e terão duração de 4 semanas.

As transmissões estarão disponíveis no site da iniciativa “Leiam Juntos, Estejam Juntos” da Editora Penguin Random House, nas páginas do Facebook da editora e da PBS Kids, assim como pelo canal do Youtube da emissora. Toda segunda-feira ao meio dia, famílias do mundo inteiro têm hora marcada com ela.

Hoje, os EUA é o país mais afetado pelo coronavírus e todas as escolas estão fechadas. Com crianças em casa e pais precisando trabalhar, Obama reconhece que este não é um período fácil, por isto quer colaborar com os pais.

As histórias foram selecionadas por ela mesma e conta com clássicos da literatura infantil norte americana, “Há um Dragão no Teu Livro”, de Tom Fletcher e Greg Abbott e “Uma Lagarta Muito Comilona”, de Eric Carle.

“Neste momento em que muitas famílias estão sob estresse, estou animada para dar às crianças a chance de praticar a leitura e ouvir histórias incríveis – e dando para os pais e responsáveis uma pausa necessária”, explicou ela, em comunicado.

Esta, no entanto, está longe de ser a primeira iniciativa voltada ao público infantil, que Michelle e seu marido Barack Obama realizaram. Quando ele ainda era presidente, eles costumavam organizar sessões de histórias na Casa Branca para os visitantes mais jovens e liam histórias para as crianças durante a páscoa.

foto: Michelle Obama instagram

Conheça tudo sobre a AWS, a ferramenta de Cloud Computing da Amazon

Fonte: Razões para acreditar

Lego vai produzir 13 mil viseiras de proteção por dia para profissionais de saúde

A Lego anunciou que vai produzir 13 mil viseiras protetoras por dia para profissionais de saúde que combatem o coronavírus na Dinamarca.

Uma das principais fábricas da empresa dinamarquesa foi remodelada para a produção em massa dos equipamentos de proteção individual (EPIs), deixando os brinquedos em segundo plano.

Mesmo com empresa parada, empresário se prontificou a fabricar máscaras para hospitais. Apoie clicando aqui.

Segundo um post publicado pela Lego no Instagram na última quinta (9), a fábrica de Billund já está operando em plena capacidade – as viseiras confeccionadas serão doadas para hospitais e postos de saúde do país.

Participe do nosso canal no Telegram e receba todas as matérias e novidades do Razões, clique aqui.

“Estamos muito orgulhosos da equipe que está tornando tudo isso realidade. Eles estão trabalhando a todo tempo para fazer os moldes e a produção das viseiras. Somos gratos por ter colegas tão talentosos, dedicados e atenciosos”.

Canal Coronavírus: veja boas notícias, vagas home-office e como ajudar pequenos negócios clicando aqui.

Dias depois, a empresa de brinquedos anunciou a doação de 500 mil bloquinhos de construção para crianças carentes brincarem durante a pandemia.

Você sabe o que é service desk e o que esse tipo de serviço pode fazer para você nessa pandemia?

Fonte: razões para acreditar

Água cristalina e pássaros: Praia Grande vê paisagem mudar com isolamento

De acordo com Delfo Monsalvo, inspetor da Guarda Costeira, foram vistas na faixa de areia espécies de pássaros que antes ficavam apenas próximas à encosta do morro da Fortaleza de Itaipu

Embora muitas pessoas ainda insistam em não levar a sério e em desrespeitar as medidas de isolamento social, é inquestionável a importância dessa iniciativa para minimizar os efeitos do novo coronavírus.

Além dos benefícios em relação ao combate à pandemia, a natureza também sente as consequências da proibição de circulação de pessoas na faixa de areia das praias da Baixada Santista.

Em Praia Grande, por exemplo, a paisagem à beira-mar mudou completamente. O novo cenário das praias da cidade inclui a presença de muitos pássaros, água cristalina e pequenos bancos de areia. A mudança na paisagem é consequência das praias vazias.

Lixo zero

De acordo com Delfo Monsalvo, inspetor da Guarda Costeira, foram vistas na faixa de areia espécies de pássaros que antes ficavam apenas próximas à encosta do morro da Fortaleza de Itaipu.

A média de lixo recolhido na orla nos meses de abril dos anos anteriores é de 27 toneladas por dia. Com o fechamento da orla, a redução foi de praticamente 100% na quantidade de lixo.

FONTE: Folha Santista

Profissionais da saúde fazem apelo para população ficar em casa; ato recebe aplausos pelas janelas de todo país

Na tentativa de controlar a disseminação do coronavírus e de proteger a própria vida, médicos de todo o mundo começaram uma campanha para que as pessoas fiquem em casa, na mesma semana o ato ganhou as redes sociais.

A frase usada pelos profissionais em todo o mundo foi ” Estamos aqui por vocês, por favor, fiquem em casa por nós” apelando para a população ficar em casa de quarentena.

foto: Reprodução da internet

A iniciativa tem sido feita ao redor do mundo inteiro, para poder achatar a curva de contaminação da pandemia.

No Brasil, após os médicos aderirem a campanha, profissionais do país inteiro foram aplaudidos pelas janelas de todo território brasileiro.

Saiba como se prevenir contra o novo coronavírus

Conheça a Hiperconvergência da Nutanix

Previna-se contra o novo coronavírus

A essa altura do campeonato você já deve estar cansado de ouvir sobre métodos de prevenção contra o novo coronavírus, o Covid-19, porém, é preciso sempre reforçar esse assunto, pois, estes métodos são os únicos meios de prevenção que temos até o momento. 

Para quem não sabe, o novo coronavírus surgiu no dia 31 de dezembro, em uma feira de animais na China, onde um único homem foi contaminado pelo vírus, assim posteriormente contaminado outras pessoas. Como o vírus é uma doença jamais vista antes, não existem tratamentos para a cura e nem a vacina de imunidade, porém existem alguns meios que podem te ajudar a prevenir-se. 

Lave bem as mãos

Lavar as mãos é um dos métodos mais eficazes para se prevenir contra o novo coronavírus, porém, é necessário que essa ação seja realizada várias vezes ao dia, principalmente ao entrar e sair de locais e ao tocar em objetos. Também é importante lembrar que é essencial que não tocar nos olhos 

Como a maioria das pessoas trabalham, e não podem estar lavando as mãos a todo momento, o aconselhável é manter álcool em gel por perto, para higienizar sempre que for necessário, principalmente depois de sair dos transportes e locais públicos. 

Ao espirrar ou tossir, tampe os nariz e a boca com os braços e não as mãos

é importantíssimo saber que quando você for tossir ou espirrar, é necessário que  tampe o nariz ea boca com os braços e não com as mãos. Ao tampar com as mãos, logo em seguida você poderá colocar a mão em alguma superfície, podendo espalhar o vírus e assim contaminar outras pessoas. 

Tome banhos ao chegar em casa e use sempre roupas limpas

O novo coronavírus se alastrou pela China e Europa não só pelo fato de ser uma doença altamente contagiosa, mas também pela falta da cultura de higiene nestes países. Na Europa, por exemplo, é muito comum colocar calça jeans sujas nos refrigeradores junto a comidas e bebidas para tirar o mau cheiro, para não ter que lavar constantemente. 

Lave sempre suas roupas, e sempre use roupas limpas e nada de repetir roupa suja nesse período. 

Vai fazer home office por causa do coronavírus? Confira dicas

Se possível, trabalhe em casa

A letalidade do vírus varia dependendo da idade do contaminado, os mais afetados pelo novo coronavírus são as pessoas idosas, acima de 60 anos, onde 6 acada 26 acabam vindo a óbito.

Já as pessoas mais jovens, quase não sofrem riscos. Acima dos 18 anos, até os 50, a chance de vir a óbito é muito baixa, sendo 1 a cada 500 pessoas. Algumas pessoas podem até mesmo, nem sentir os sintomas, em crianças é quase que inexistente.

Porém, por mais que jovens não sofram tanto com o vírus, eles ainda podem contaminar, principalmente as pessoas menos vulneráveis. A recomendação é que se for possível, essas pessoas façam trabalho home-office, para poder proteger a população mais velha.

Vamos todos lutar pelo fim da pandemia seguindo as recomendações! Lave as mãos e se possível, fiquem em casa.

Jovem com síndrome de down vence câncer e vira policial